Quais os Benefícios da Melatonina

Quais os Benefícios da Melatonina

A melatonina é um neuro-hormônio secretado pela glândula pineal no cérebro e é bem conhecido por causar e regular o sono. A luz suprime a síntese de melatonina. O principal uso da melatonina como suplemento é normalizar os padrões de sono anormais.

Melatonina para dormir

Padrões irregulares de sono estão associados a uma ampla variedade de problemas de saúde e envelhecimento prematuro. A melatonina é o hormônio usado pelo seu corpo para ajudá-lo a adormecer e, portanto, a suplementação é vista como uma forma de obter um sono regular. Isso é particularmente útil para pessoas que trabalham por turnos ou sofrem de jet lag.

Outros benefícios da melatonina incluem efeitos neuroprotetores gerais, pois a melatonina é um poderoso antioxidante. 

A melatonina também tem várias propriedades anticâncer e atualmente está sendo investigada por seu papel no combate ao câncer de mama. Não parece ter muito efeito sobre a massa magra ou gordura corporal, mas potencialmente impede que seu corpo ganhe mais gordura. A suplementação de melatonina também beneficia a saúde ocular, possivelmente reduz o zumbido e melhora o humor (ajudando você a dormir melhor).

Mas o principal mecanismo da melatonina é ajudar a diminuir o tempo que leva para adormecer (como hormônio, é sua função principal).

Existem alguns dados demográficos que tendem a ter produção irregular de melatonina em seu corpo. Os fumantes tendem a responder menos à suplementação, e os idosos tendem a não produzir tanto durante a noite. A depressão também foi associada a níveis mais baixos de melatonina.

Benefícios potenciais da melatonina para a saúde além do sono

Seu papel como antioxidante e antiinflamatório, como um agente antitumoral, e sua importância na manutenção do relógio circadiano são algumas das maneiras críticas pelas quais a melatonina parece ter um impacto de longo alcance na saúde e nas doenças, especialmente à medida que envelhecemos.

A melatonina protege a saúde cardiovascular

A melatonina tem uma poderosa capacidade antioxidanteOs antioxidantes atuam protegendo células e genes de danos, que podem levar à disfunção e ao aparecimento de doenças. A ação antioxidante reduz a inflamação prejudicial e limita o dano celular e ao DNA de um processo conhecido como “estresse oxidativo”, que ocorre quando produtos químicos voláteis conhecidos como “radicais livres” proliferam no corpo. As substâncias que funcionam como antioxidantes podem neutralizar os efeitos prejudiciais dos radicais livres para prejudicar a integridade e o funcionamento adequado das células e genes.

As habilidades antioxidantes da melatonina são um mecanismo pelo qual esse hormônio pode prevenir e tratar os danos de doenças crônicas e relacionadas à idade, desde doenças cardiovasculares a câncer e doenças neurodegenerativas como o mal de Alzheimer. (Mais sobre a conexão melatonina-câncer em um minuto.)

Pesquisas recentes continuam a demonstrar que a melatonina pode proteger e tratar uma variedade de condições cardiovasculares , incluindo ataque cardíaco , derrame, hipertensão e aterosclerose (o acúmulo de gordura e colesterol nas artérias).

A melatonina afeta o risco de diabetes

A melatonina demonstrou ter uma influência sobre o açúcar no sangue e a insulina, marcadores-chave para a saúde metabólica e impulsionadores de doenças metabólicas, particularmente o diabetes tipo 2. A ciência do papel da melatonina no risco e no tratamento do diabetes é complicada, mas ainda não é bem compreendida. Há um conjunto robusto de pesquisas que indica que a melatonina tem um efeito protetor sobre a saúde metabólica e pode reduzir o risco de diabetes .

Os níveis noturnos naturais do corpo de melatonina têm sido associados ao risco de desenvolver diabetes. De acordo com a pesquisa, manter níveis saudáveis ​​de melatonina noturna pode reduzir o risco de diabetes pela metade, em comparação com pessoas com baixa produção noturna de melatonina. E outra pesquisa recente mostrou que a suplementação de melatonina pode ajudar a regular o açúcar no sangue , evitando que suba muito.

Ainda assim, outra pesquisa recente mostrou que a melatonina pode complicar o risco de diabetes ao interferir com a insulina, um hormônio que ajuda as células a acessar a glicose da corrente sanguínea, regulando assim os níveis de açúcar no sangue. O aumento dos níveis de melatonina pode, em algumas pessoas, reduzir a capacidade das células especializadas de liberar insulina, levando a níveis mais elevados de açúcar no sangue. Esses efeitos limitantes da insulina da melatonina mostraram ser particularmente fortes em pessoas com uma variação genética específica que afeta as células receptoras de melatonina. Essa mesma variação genética também foi associada a um maior risco de diabetes tipo 2.

A melatonina protege contra doenças cerebrais relacionadas à idade, incluindo Alzheimer

Os níveis de melatonina têm sido associados à doença de Alzheimer há décadas. Pessoas com Alzheimer tendem a apresentar níveis mais baixos de melatonina em comparação com seus pares de idade sem a doença. E a perda de melatonina continua a aumentar à medida que a doença neurodegenerativa progride. Um crescente corpo de pesquisas mostra que a melatonina tem capacidades neuroprotetoras significativas e pode ajudar a prevenir o Alzheimer em parte ao desacelerar ou interromper o acúmulo de placas amilóides prejudiciais e outras proteínas prejudiciais no cérebro, que muitos cientistas acreditam estar por trás do início da doença. Outra pesquisa sugere que a melatonina suplementar pode ajudar a reverter o declínio cognitivo quando a doença de Alzheimer já está presente.

Como em todo o corpo, a melatonina funciona como um poderoso antioxidante no cérebro.

Acredita-se que o estresse oxidativo que danifica as células cerebrais seja uma causa contribuinte significativa para problemas cognitivos relacionados à idade e um fator no desenvolvimento de doenças neurodegenerativas, incluindo a doença de Alzheimer e outras. Outra razão provável para a capacidade da melatonina de proteger a saúde do cérebro , de acordo com um estudo científico? Seu papel em manter os ritmos circadianos em sincronia.

A melatonina é um agente anticâncer

Pesquisas empolgantes nos últimos anos demonstraram as muitas maneiras pelas quais a melatonina interrompe o início e a progressão de vários tipos de câncer . Estudos demonstraram que a melatonina pode:

Por que a melatonina é tão eficaz no combate ao câncer em todas as fases de seu desenvolvimento, desde a prevenção até a limitação da progressão e melhoria do tratamento? Os cientistas ainda estão descobrindo a resposta complicada para essa grande questão. A influência da melatonina sobre os ritmos circadianos é um fator provavelmente importante.

O mesmo ocorre com o papel da melatonina na proteção da saúde celular , incluindo a limitação dos efeitos do estresse oxidativo e a promoção da morte ordenada de células danificadas e envelhecidas – um processo biológico conhecido como “apoptose”. Quando as células morrem de uma forma ordenada e sistemática, ela as elimina como atores celulares vivos, mas danificados e disfuncionais no corpo, reduzindo o risco de as células cancerosas crescerem e se replicarem. A apoptose protege contra o câncer , e a melatonina suporta a apoptose de células cancerosas .

Quão bem a melatonina funciona para o sono, realmente ?

Existem mais de 3 milhões de adultos nos Estados Unidos atualmente usando melatonina para dormir. Apesar de sua popularidade, ainda existe um debate contínuo – e uma certa confusão – sobre como a melatonina realmente ajuda a dormir. Já vi a melatonina ser muito eficaz no tratamento de problemas de sono – e eu mesmo a usei, especificamente para o jet lag. A chave para usar a melatonina com sucesso para melhorar o sono começa, eu acho, com a compreensão de como esse hormônio afeta o sono – e como não afeta.

Primeiro, vamos abordar o que acho mais confuso para as pessoas sobre a melatonina. A melatonina não é um sedativo. Em vez de ser um indutor do sono, a melatonina é um regulador ou facilitador do sono, ajudando a regular o bio-relógio do corpo e os ciclos de sono-vigília. A pesquisa científica mostra que a suplementação de melatonina pode fortalecer e melhorar os ciclos de sono-vigília.

Com ciclos de sono-vigília mais fortes e regulares, normalmente vêm padrões de sono mais saudáveis, incluindo uma hora mais fácil para adormecer e dormir em horários regulares. A melatonina demonstrou ser particularmente eficaz no tratamento dos sintomas de insônia (incluindo dificuldade para adormecer e permanecer dormindo) em adultos mais velhos. Dado seu papel como um impulsionador do ritmo circadiano, isso faz muito sentido.

À medida que envelhecemos, nossos relógios circadianos têm maior probabilidade de ficarem fora de sincronia, tornando os adultos mais velhos especialmente abertos para se beneficiarem de melatonina suplementar para fortalecer seus relógios biológicos e mantê-los em sincronia.

Outro grupo de pessoas cujo sono pode ser particularmente facilitado pela suplementação de melatonina? Adultos e crianças com transtorno do espectro do autismo (ASD). Isso porque as pessoas com ASD mostraram ter níveis mais baixos de melatonina do que as pessoas sem ASD. Há um conjunto de pesquisas bastante robusto mostrando que a melatonina pode ajudar crianças e adultos com TEA a dormir mais , ter um sono de melhor qualidade e adormecer mais facilmente, com benefícios adicionais para comportamentos diurnos.

Isso significa que a melatonina só pode ser eficaz no tratamento de problemas de sono entre esses grupos específicos? Definitivamente não. Mas você já me ouviu dizer isso antes: não existe uma única bala ou pílula mágica que apague os problemas de sono de todos. Temos muito mais a aprender sobre como a terapia com melatonina pode afetar o sono. Eu acho que, sabendo o que fazemos hoje, é razoável dizer que a melatonina é provavelmente mais eficaz em pessoas cujos problemas de sono, incluindo sintomas de insônia, resultam de biorritmos fora de sincronia.

É por isso que a melatonina pode ser tão útil no tratamento do jet lag. Para pessoas cuja insônia ou outros problemas de sono resultam de outros problemas, como estresse, ansiedade ou dor crônica, outros tratamentos, incluindo CBD e outras formas de cannabis, magnésio, e outros suplementos naturais que aumentam o sono – podem funcionar melhor. Se você estiver usando melatonina e não estiver obtendo as melhorias desejadas no sono, não presuma que seu problema de sono é intratável; procure outras terapias para obter ajuda.

Outros problemas que complicam a eficácia da melatonina para o sono

Sempre consulte seu médico antes de começar a tomar um suplemento ou fazer qualquer alteração na medicação existente e na rotina de suplementos. Não se trata de um conselho médico, mas é uma informação que você pode usar como ponto de partida para uma conversa com seu médico na próxima consulta.

Um dos maiores obstáculos para o uso eficaz da melatonina é, infelizmente, a qualidade dos próprios suplementos. Uma investigação científica recente descobriu que o conteúdo real de melatonina encontrado em muitos suplementos no mercado pode variar significativamente em relação ao que afirmam os rótulos dos produtos.

Cientistas da Universidade de Guelph de Ontário descobriram que em mais de 71 por cento dos suplementos de melatonina , a quantidade de melatonina era mais de 10 por cento diferente do que o rótulo do produto indicava. Alguns produtos continham até 83 por cento menos melatonina, enquanto outros produtos continham até 478 por cento mais melatonina.

Isso significa que muitos consumidores não estão tomando o que pensam que estão, quando usam um suplemento de melatonina. Antes de começar a usar a melatonina, certifique-se de fazer sua pesquisa e obter sua melatonina de uma fonte confiável.

Obtendo o direito-e dosagem do tempo de quando a tomar melatonina de também terá um enorme impacto sobre quão bem ele funciona para problemas de sono do deleite.

Dosagem Recomendada

Muitas pessoas tomam melatonina em excesso, o que pode desequilibrar ainda mais os ritmos biológicos e interromper a produção de melatonina pelo próprio corpo. Em vez de tomar automaticamente uma dose de 3 ou 5 mg desde o início, converse com seu médico ou especialista do sono para determinar a dose certa para você. Comece pequeno, com apenas 0,3 mg, aumentando gradualmente até atingir a dosagem ideal.

Como tratamento para o jet lag em adultos saudáveis, recomendo iniciar 0,5 mg, noventa minutos antes de querer dormir em seu novo destino, seguido de 20 minutos de fototerapia pela manhã. Confira www.timeshifter.com para ver um aplicativo que o ajudará a programar sua melatonina perfeitamente.

Se você planeja tomar melatonina na hora de dormir – o que é conveniente para muitas pessoas – certifique-se de usar os suplementos de liberação programada, em vez dos comprimidos de liberação padrão. Caso contrário, seus níveis de melatonina atingirão o pico e cairão muito cedo, em vez de atingir o pico noturno no terço final de uma noite de sono, como ocorre com a melatonina natural do corpo.

Fontes e Referências

Antioxidants. The Nutrition Source/Harvard T.H. Chan School of Public Health. Retrieved from: https://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/antioxidants/

Baltatu, OC et al. (2019). Cardioprotective melatonin: translating proof-of-concept studies to therapeutic use. International Journal of Molecular Sciences 20(18): pii:E4342. Retrieved from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/31491852

Breus, Michael J. (2019, December 3). Terpenes: they are not just in marijuana and they can help with sleep. Retrieved from: https://thesleepdoctor.com/2019/12/03/terpenes-they-are-not-just-in-marijuana-and-they-can-help-with-sleep/

Breus, Michael J. (2018). 10 of the most effective natural sleep aids. Retrieved from: https://thesleepdoctor.com/2018/12/25/10-of-the-most-effective-natural-sleep-aids/

Breus, Michael J. (2018, November 6). The newest science on the sleep and health benefits of CBD. Retrieved from: https://thesleepdoctor.com/2018/11/06/the-newest-science-on-the-sleep-and-health-benefits-of-cbd/

Breus, Michael J. (2017, November 20). Magnesium: how it affects your sleep. Retrieved from: https://thesleepdoctor.com/2017/11/20/magnesium-effects-sleep/

Breus, Michael J. (2017, June 6). Understanding melatonin: how melatonin can help sleep and bio time. Retrieved from: https://thesleepdoctor.com/2017/06/06/understanding-melatonin-melatonin-can-help-sleep-bio-time/

Hossain, Farhad et al. (2019). Melatonin in Alzheimer’s Disease: A Latent Endogenous Regulator of Neurogenesis to Mitigate Alzheimer’s Neuropathology. Molecular Neurobiology, 56(12): 8255-8276. Retrieved from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31209782-melatonin-in-alzheimers-disease-a-latent-endogenous-regulator-of-neurogenesis-to-mitigate-alzheimers-neuropathology/

Johnson, Kate. (2019, December 5). Melatonin: magic potion or unregulated danger? Medscape. Retrieved from: https://www.medscape.com/viewarticle/922202?nlid=132930_5402&src=wnl_dne_191209_mscpedit&uac=127754CG&impID=2196787&faf=1#vp_2

Li, Ya et al. (2017). Melatonin for the prevention and treatment of cancer. Oncotarget, 8(24): 29896-39921. Retrieved from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28415828-melatonin-for-the-prevention-and-treatment-of-cancer/?from_term=melatonin+cancer&from_page=1&from_pos=2

Lo, Chung-Cheng et al. (2017). Effects of Melatonin on Glucose Homeostasis, Antioxidant Ability, and Adipokine Secretion in ICR Mice with NA/STZ-Induced Hyperglycemia. Nutrients, 9(11): 1187. Retrieved from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5707659/

McMullan, Ciaran J et al. (2013). Melatonin secretion and the incidence of type 2 diabetes. JAMA, 309(13): 1388-1396. Retrieved from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3804914/

Melatonin content of supplements varies widely, study finds. (2017, February 14). Science Daily. Retrieved from: https://www.sciencedaily.com/releases/2017/02/170214162728.htm

Mortezaee, Keywan et al. (2019). Modulation of apoptosis for improving cancer treatment efficiency: and updated review. Life Sciences, 228: 228-241. Retrieved from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31077716-modulation-of-apoptosis-by-melatonin-for-improving-cancer-treatment-efficiency-an-updated-review/

Paddock, Catherine. (2016, May 17). Type 2 diabetes: study explains link to sleep hormone melatonin. Medical News Today. Retrieved from: https://www.medicalnewstoday.com/articles/310321.php#1

Palm, L. (1997). Long-term melatonin treatment in blind children and young adults with circadian sleep-wake disturbances. Developmental Medicine and Child Neurology, 39(5): 319-25. Retrieved from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/9236698-long-term-melatonin-treatment-in-blind-children-and-young-adults-with-circadian-sleep-wake-disturbances/?dopt=Abstract

O’Neal-Moffitt, G. et al. (2015). Prophylactic Melatonin Significantly Reduces Alzheimer’s Neuropathology and Associated Cognitive Deficits Independent of Antioxidant Pathways in AβPP(swe)/PS1 Mice. Molecular Neurodegeneration, 10, 27. Retrieved from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26159703-prophylactic-melatonin-significantly-reduces-alzheimers-neuropathology-and-associated-cognitive-deficits-independent-of-antioxidant-pathways-in-appsweps1-mice/

Proietti, Sara et al. (2017). Melatonin, mitochondria and the cancer cell. Cellular and molecular life sciences, 74(21): 4015-4025. Retrieved from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28785807-melatonin-mitochondria-and-the-cancer-cell/?from_term=melatonin+cancer&from_page=1&from_pos=6

Rieter, Russel J. et al. (2016). Melatonin as an antioxidant: under promises but over delivers. Journal of Pineal Research61(3): 253-278. Retrieved from: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/jpi.12360

Rossignol, Daniel A and Richard E Frye. (2014). Melatonin in autism spectrum disorders. Current Clinical Pharmacology, 9(4): 326-34. Retrieved from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24050742-melatonin-in-autism-spectrum-disorders/

Schrag, M. et al. (2013). Oxidative stress in blood in Alzheimer’s disease and mild cognitive impairment: a meta-analysis. Neurobiology of Disease, 59: 100-110. Retrieved from: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S096999611300199X

Shukla, M et al. (2017). Mechanisms of melatonin in alleviating Alzheimer’s disease. Current Neuropharmacology, 15(7): 1010-1031. Retrieved from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28294066

Simko, Fedor et al. (2019). Melatonin as a rational alternative in the conservative treatment of resistant hypertension. Hypertension Research, 42, 1828-1831. Retrieved from: https://www.nature.com/articles/s41440-019-0318-3

Su, Shih-Chi et al. (2017). Cancer metastasis: mechanisms of inhibition by melatonin. Journal of Pineal Research, 62(1). Retrieved from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27706852-cancer-metastasis-mechanisms-of-inhibition-by-melatonin/?from_term=melatonin+cancer&from_page=1&from_pos=5

Talib, Wamidh H. (2018). Melatonin and cancer hallmarks. Molecules, 23(3). Retrieved from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29495398-melatonin-and-cancer-hallmarks/?from_term=melatonin+cancer&from_pos=1

Vincent, B. (2018). Protective roles of melatonin against the amyloid-dependent development of Alzheimer’s disease: A critical review. Pharmacological Research, 134: 223-237. Retrieved from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29981776

FAÇA PARTE DO NOSSO NOVO

GRUPO NO FACEBOOK

Seja pioneiro neste grupo e adquira conteúdos exclusivos gratuitamente.
close-link