Colangite biliar primária

A colangite biliar primária é uma doença hepática crônica. Ocorre quando pequenos ductos biliares são destruídos, espalhados pelo fígado. Esses dutos são pequenos tubos de calibre, que coletam a bile produzida pelo fígado e a transportam para a vesícula biliar.

A bile permanece armazenada na vesícula biliar enquanto estamos em jejum. Quando comemos comida, A vesícula biliar sofre uma contração e libera a bile no trato digestivo. Se houver colangite biliar primária, todo esse processo é bloqueado.

Sob essas condições, a bile está estagnada. Este estado é chamado colestase. Além disso, o fígado está danificado e começa a substituir as células do fígado por tecido cicatricial. Este estado é conhecido como cirrose hepática.

Causas da colangite biliar primária

Colangite biliar primária
Até o momento, não se sabe exatamente por que ocorre a colangite biliar primária. No entanto, a tese mais aceita é que ela surge da combinação de fatores genéticos e ambientais.

A ciência ainda não sabe as razões pelas quais a colangite biliar primária ocorre. A hipótese mais forte indica que é uma doença autoimune. Isso significa que é devido a um processo no qual o organismo se volta contra suas próprias células.

A tese mais aceita é que a doença é desencadeada por uma combinação de fatores genéticos e ambientais. Isso leva a um tipo específico de glóbulos brancos, chamado "células T", que se acumula no fígado. Tais células combatem bactérias ou germes. No entanto, por engano, eles também atacam células saudáveis.

Lenta e progressivamente, células saudáveis ​​morrem e são substituídas por tecido cicatricial, causando cirrose. Sob essas condições, é impossível que o fígado funcione normalmente. Essa condição é mais comum em mulheres entre 30 e 60 anos.

Europeus e americanos têm um risco maior de colangite biliar primária, bem como aqueles com histórico familiar dessa doença. Fumar, a presença de infecções anteriores e a ingestão de substâncias tóxicas também são fatores de risco.

Você pode estar interessado: Cirrose hepática

Sintomas da colangite biliar primária

Mais de 50% das pessoas afetadas pela colangite biliar primária não apresentam sintomas. Normalmente, a doença é detectada incidentalmente, após a realização de um exame de sangue por outro motivo. Aqueles que apresentam sintomas geralmente têm um prognóstico menos favorável.

Os primeiros sintomas são basicamente coceira na pele, olhos e boca secos e fadiga. Nos estágios mais avançados da doença Novos sintomas aparecem como:

  • Inflamação do baço.
  • Dor na área superior direita do abdômen.
  • Dor nos músculos, ossos e articulações.
  • Inchaço nos pés e tornozelos.
  • Xantomas, ou seja, pequenos depósitos de gordura localizados na pele ao redor dos olhos, pálpebras ou dobras de cotovelos, joelhos, palmas ou solas dos pés.
  • Acumulação de líquido no abdômen.
  • Icterícia ou amarelecimento da pele e dos olhos.
  • Hiperpigmentação Ou seja, escurecimento da pele não relacionado ao sol.
  • Osteoporose.
  • Colesterol alto.
  • Diarréia.
  • Esteatorréia ou fezes com gordura.
  • Hipotireoidismo
  • Perda de peso.

Complicações

Mulher com colangite biliar primária
A primeira complicação desta doença é dano hepático progressivo. Como resultado, outras patologias como cirrose, hipertensão portal, cálculos biliares, entre outras, se desenvolvem.

A colangite biliar primária progride lentamente, causando mais e mais danos ao fígado. Isso pode levar ao desenvolvimento de outras doenças, como as seguintes:

  • Cirrose. É a consequência mais comum. Pode levar à insuficiência hepática e outras complicações adicionais. O prognóstico nesses casos é desfavorável.
  • Hipertensão portal. É um aumento da pressão na veia porta. Isso cria o risco de sangramento gastrointestinal, que pode ser fatal.
  • Esplenomegalia. É a ampliação do baço. O maior risco é que ele se quebre.
  • Cálculos biliares. As pedras causam dor e podem levar a infecções.
  • Varizes. É o aumento das veias, que pode eventualmente quebrar e sangrar. Se são veias do esôfago ou do estômago, a vida está em perigo.
  • Câncer de fígado.
  • Encefalopatia hepática. Essa condição reduz funções cognitivas, principalmente memória e concentração.
  • Osteoporose.
  • Deficiências de vitaminas
  • De outros. Aqueles com colangite biliar primária apresentam maior risco de desenvolver outras doenças, como distúrbios metabólicos, doenças imunológicas, problemas de tireóide, artrite reumatóide e síndrome de CREST.

Descubra: 3 dicas para cirrose que todo paciente deve seguir

Outros dados de interesse

No momento, não há cura para a colangite biliar primária. Mas, no entanto, Existem vários medicamentos que ajudam a reduzir a progressão da doença e prevenir complicações. Normalmente, o tratamento básico é o ácido ursodesoxicólico, ou "ursodiol".

Recentemente, ácidos e fibratos obetólicos ou ocaliva têm sido utilizados. Metotrexato e colchicina também são indicados. Todos esses medicamentos mostraram eficácia moderada contra a doença.

Se os medicamentos não funcionarem, a única solução é fazer um transplante de fígado. Isso geralmente é muito eficaz. Mesmo assim, há relatos de casos em que a colangite biliar primária aparece novamente após o transplante.

O pós-colangite biliar primária apareceu primeiro em Better with Health.

Fonte

FAÇA PARTE DO NOSSO NOVO

GRUPO NO FACEBOOK

Seja pioneiro neste grupo e adquira conteúdos exclusivos gratuitamente.
close-link